segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Retratação

Depois de respirar com calma e ouvir umas verdades bem ditas pelo Dalton, consigo pensar quase racionalmente no romance do Camelo e da Magalhães.

Que a Mallu Magalhães é chata, é certo. Mas, apesar de ela ter 16 anos e agir feito menina de 12, precisamos concordar que a menina é talentosa. Apesar de nunca ter conseguido ouvir uma música dela até o fim, ela é melhor do que muita coisa que surgiu por aí nesse último ano. E fique claro que eu não gosto nada dela, mas não vamos ser hipócritas.

Almoçando no Estadão com o Dalton, ele me fez lembrar de uma coisa muito importante nessa questão: Eles são dois músicos, tem lá suas afinidades e vivem numa esfera totalmente diferente diferente de nós, reles mortais. E, convenhamos, é preciso ter (muitas) coisas em comum num relacionamento pra dar certo. E é por isso que não se vê muito histórias de fãs se casando com seu artista favorito.

Em relação a idade dos dois, fica mais ou menos na mesma opinião. Apesar do processo todo que a Mallu Magalhães ainda vai passar até traçar sua personalidade adulta, essa será feita num meio também diferente de uma pessoa comum. Quando a gente ouvia a Britney toda bonitinha cantando “I'm not a girl, not yet a woman” e depois a ouviu cantando “I'm a slave 4u” e viu ela raspando a cabeça e quase derrubando os filhos no chão depois de sair de uma clinica de reabilitação, nós julgamos, criticamos e satirizamos sem ter noção do que, de fato, a levou a fazer essa transição de menina para mulher de forma tão... tão freak.

Olhando para a repercussão dessa história, acabei achando um grande desperdício de tempo tentando entender o que não é da minha conta. Me envergonho até do post que escrevi abaixo, mas não vou apagá-lo pra eu me lembrar de nunca mais fazer algo do tipo. Me igualei a todas as pessoas que não tem o que fazer e ficam bisbilhotando e dando pitacos na vida dos outros. Teve quem falou que é marketing, que é pedofilia, que é amor, que não é amor e por aí vai.

Eu, como fã, sei que rola uma certa decepção porque a gente coloca o cara lá no céu e acha que ele é deus e que só se envolveria com alguém no mesmo patamar. Aí aparece a Magalhães e desconstrói todo um conceito criado por nós. Fato é que: Se esse relacionamento do Camelo e da Mallu influenciou em seu último disco, então que ele se case e tenha vários filhinhos com ela. Já até prometi pro Dalton que, se um dia o Los Hermanos voltar e for comprovadamente por influência da Mallu Magalhães, eu compro um cd e uma camiseta dela.

Esse universo artístico é bem diferente do nosso e apesar de toda a exposição, a pressão, a forma de lidar com os fatores individuais e íntimos girando em torno da vida dos artistas que tanto amamos, eles ainda encontram uma brecha para fazer de forma excelente o trabalham que desempenham. E é só com isso que nós, fãs, deveríamos nos importar.

Obs: Quase ia me esquecendo de colocar estes dois links engraçadíssimos. Um é de uma montagem do Amarante com a Maísa. E o outro é um post do Gordo Nerd e as peripécias da internet.

4 comentários:

Dalton Campos disse...

Retratar-se é legal. Até porque não somos estáticos. Eu vou mandar uma Barbi para ela pedindo que converse com o Camelo para o Los Hermanos voltar

G.G. disse...

Mimmy, vc perdeu o objetivo do blog!!!! polêmica!! está muito sensata... assim não dá! =]
..
é, a gente precisa assumir a dor de cotovelo.

ps: ri demais com o comentário do Dalton. ps2: se escreve barbie (meus deus, eu corrigi isso, eca!)

flavio Monteiro disse...

nossa fala serio....não tipo aqui entre nós mano fala serio vai... pedir desculpas em seu blog sobre uma persona non grata... e sobre um musico perdido das idéias (sei que vc gosta) mas por favor fala serio....acabei de me lembrar pq parei de ler o blog............vc ficou previsivel.

Anônimo disse...

na vdd todos nós somos animais
rolou atração...sentiu o calor... o tesão... já era...
:D